20 janeiro 2011

"Ó ABRE ALAS QUE EU QUERO PASSAR"!

Imediações do Açougue de Pau dos Ferros - 2009
As enchentes forçam o comércio a fechar as portas
As águas se avolumam na rua "Bevenuto Fialho" - Centro
O transbordamento do Rio leva água até o "Posto Esso"


Aqui em Pau dos Ferros, por exemplo, a rua “D. Pedro II”, conhecida por mim – desde tenra idade – como a “rua de baixo”, adentrou (e muito) nas margens do Rio Apodi-Mossoró. Inúmeros estabelecimentos comerciais e moradias foram edificados, ali, impedindo o despejo do precioso líquido.

Assim sendo, quando o açude público deste município (“barragem”) transborda - com um volume considerável d´água – é inevitável que presenciemos toda aquela área, nas imediações do açougue e no seu entorno, alagada.

Tanto é verdade que o mesmo episódio acontecia no outro lado, lá no bairro São Geraldo, antes que a Prefeitura, nesta gestão, erradicasse algumas casas de taipa existentes e as substituísse por residências de alvenaria num local mais seguro.

Eu comparo esses acontecimentos a um presidiário que, empreendendo fuga do cárcere, quer – a qualquer custo – ir embora e não admite que ninguém, por hipótese alguma, o impeça de fazê-lo; sob pena de que algo pior venha a acontecer. Infelizmente, temos exemplos disso aqui nesta urbe!

Tudo quanto a natureza quer - e exige - é ter seu caminho livre e conviver, respeitosa e pacificamente, com o irracional bicho homem; se ele quiser. Do contrário . . . Passagem, só de ida, para “SOUZA”.

É como diz um trecho de uma marchinha carnavalesca, composta por Chiquinha Gonzaga: “Ó ABRE ALAS QUE EU QUERO PASSAR”!

Nenhum comentário: